Síndrome de Wolff-Parkinson-White – W-P-W – Absolutamente Tudo!

Síndrome de Wolff-Parkinson-White é uma condição clínica (uma arritmia cardíaca) na qual existe uma via elétrica adicional do coração. Os pacientes que apresentam esta síndrome devem tomar alguns cuidados e estão proibidos de exercer algumas atividades. O W-P-W é uma condição clínica que pode levar a períodos de aumento da freqüência cardíaca (taquicardia). A Síndrome de Wolff-Parkinson-White é uma das causas mais comuns de problemas de ritmo cardíaco acelerado em lactentes e crianças, além de ser uma das principais causas de morte súbita em atletas. 1) MedLinePlus

O quê significa W-P-W? 

Estas são as iniciais dos nomes dos médicos estudiosos que reconheceram esta doença e que hoje levam o seu nome: Wolff-Parkinson-White. O termo médico seria Síndrome de Pré-excitação ventricular, que além do W-P-W, há a síndrome de Lown-Ganong-Levine.

 

Quais as Causas da Síndrome de Wolff-Parkinson-White

WPW syndrome Síndrome de Wolff Parkinson White   W P W   Absolutamente Tudo!

Normalmente, os sinais elétricos seguemum determinado caminho através do coração. Isso ajuda o coração bater regularmente. Esse impulso elétrico segue um caminho normal, saindo do nó sinusal, passando pelo feixe AV, chegando ao nó átrio-ventricular e passando nos feixes que conduzem o impulso aos ventrículos. 2) MedLinePlus

Em pessoas com síndrome de Wolff-Parkinson-White, há um curto circuito atípico (anômalo) e o estímulo passa diretamente do feixe AV para os feixes de His (feixes ventriculares). Assim, os ventrículos são estimulados precocemente – uma excitação prévia ao que deveria ocorrer – por isso, a WPW também é chamada de pré-excitação ventricular; ou seja alguns dos sinais elétricos do coração que saem dos átrios chegam ao ventrículo por uma via extra. Isso pode causar um ritmo cardíaco muito rápido chamado taquicardias supraventriculares. (Veja na foto) 3) Tipster

Doenças Associadas ao Wolff-Parkinson-White:

A maioria das pessoas com síndrome de Wolff-Parkinson-White não têm quaisquer outros problemas cardíacos.  No entanto, esta condição tem sido associada com outras condições cardíacas, tais como:

 

Quais os Sintomas da Síndrome de Wolff-Parkinson-White

Os Sintomas da síndrome de  Wolff-Parkinson-White são o resultado de um ritmo cardíaco acelerado. São os que mais frequentemente aparecem pela primeira vez em pessoas em sua adolescência ou 20s. Os sintomas mais comuns da síndrome de WPW incluem:

  • Sensação de taquicardia, batimentos irregulares e rápidos.
  • Tontura
  • Desmaio
  • Desencadeados pelo exercício (mas também em repouso).
  • Ansiedade

Os episódios de taquicardia podem começar rápida e subitamente, podendo durar segundos ou várias horas. Esses episódios acontecem muitas vezes durante o exercício, mas também podem ocorrer com o paciente em repouso. A cafeína ou outros estimulantes e álcool pode ser um gatilho para algumas pessoas. Ao longo do tempo, os sintomas de WPW pode desaparecer em até 25 por cento das pessoas que os experimentam. 8) MayoClínic . Em outros casos, o paciente pode permanecer um longo tempo sem qualquer sintoma e o W-P-W pode ser diagnosticado em uma consulta de rotina, de check-up.

Os sintomas em casos mais graves

Cerca de 10 a 30 por cento das pessoas com síndrome de Wolff-Parkinson-White, ocasionalmente, ter um tipo de arritmia cardíaca conhecida como fibrilação atrial. Nestas pessoas, os sinais e sintomas de WPW podem incluir:

Os sintomas em Crianças

Os sintomas em crianças com síndrome de Wolff-Parkinson-White podem incluir: 9) MayoClínic

  • Falta de ar – dispneia
  • Falta de atenção – Deficit de atenção
  • Má alimentação
  • Batimentos cardíacos acelerados – as taquicardias.

Os Casos Assintomáticos (Ausência de sintomas):

A maioria das pessoas que têm uma via elétrica extra sem a experiência do coração batimento cardíaco rápido e sem sintomas. Esta condição, chamada padrão de Wolff-Parkinson-White, só é descoberto por acaso, quando uma pessoa está passando por um exame de coração por outras razões. Padrão de Wolff-Parkinson-White é inofensivo em muitas pessoas. Mas os médicos podem recomendar uma avaliação mais aprofundada antes de crianças com padrão de WPW participar de esportes de alta intensidade

 

O Diagnóstico do síndrome de Wolff-Parkinson-White é pela interpretação de ECG:

wpw Síndrome de Wolff Parkinson White   W P W   Absolutamente Tudo! Quando um médico cardiologista observa um Eletrocardiograma ele já é capaz de fazer o diagnóstico da Síndrome de Wolff-Parkinson-White, pois é necessário somente um ECG. Os itens a seguir são Técnicos, e utilizado para médicos (se você for leigo, pode saltar). 10) Tipster

  • Intervalo PR <0,12 segundo, ondas P de aparência normal;
  • Complexo QRS largo, com uma duração mais longa do que 0,12 segundo;
  • A presença de ondas delta. Inscrição lenta ou espessamento da porção inicial do complexo (onda delta) – O QRS é o critério mais importante para o diagnóstico de síndroma de Wolff-Parkinson-White.
  • Alterações secundárias de segmento ST e onda T, que estão mostrando uma direção oposta à onda complexo QRS e delta.

 

Os Exames para Avaliar o WPW – quais são? 

O médico irá começar a investigação clínica com uma história clínica completa, juntamente com o exame físico e exames laboratoriais, incluindo:

  • Os exames de sangue, para verificar hormônio da tireoide e os níveis de potássio no sangue, o que pode levar a algumas perturbações do ritmo cardíaco.
  • A radiografia de tórax, para verificar se o seu coração está dilatado.

Holter 24 horas:

foto10 Síndrome de Wolff Parkinson White   W P W   Absolutamente Tudo! Este dispositivo ECG portátil é transportado no bolso ou usado em um cinto. Ele registra a atividade do seu coração por 24 horas, fornecendo o seu médico com um olhar prolongado em seus ritmos cardíacos. Ele é um ótimo exame para avaliação do WPW.

 

Gravador de eventos: Looping:

Trata-se de um exame semelhante ao HOLTER, só que a duração do exame é de 1 a três semanas ou até mesmo meses. O paciente ativa o gravado quanto tiver sintomas de uma arritmia.

 

Estudo Eletrofisiológico:

Este teste (foto) pode ser usado para confirmar o diagnóstico de síndrome de Wolff-Parkinson-White ou para identificar a localização da anômala. É um exame feito em hospital, com uma sedação anestésica e é capaz de mapear onde está esta via anômala que provoca os sintomas de arritmia cardíaca e palpitação. Os Eletrodos são colocados diretamente no coração e conseguem definir, com precisão, o local exato em que o “curto-circuito” ocorre e identificar a via anômala. 11) Síndrome de Wolff-Parkinson-White associada a comunicação interatrial tipo seio venoso 12) Estudo Eletrofisiológico – Arritmia Cardíaca.com.br

 

Como tratar? Medicação ou cirurgia?

O objetivo do tratamento é evitar que a condução ocorra pela via anômala e passe a ocorrer somente pela via normal. Assim, os médicos lançam mão de medicamentos que tentam impedir que o estímulo passe pela via anormal e siga o caminho normal.

Medicações de controle para WPW:

wpw%20cath%20ab Síndrome de Wolff Parkinson White   W P W   Absolutamente Tudo! várias drogas podem ser utilizadas para o tratamento das arritmias relacionadas à síndrome de Wolff-Parkinson-White. Entre elas estão: propafenona (Ritmonorm®), amiodarona (Ancoron®), sotalol (Sotocor®). Algumas medicações não podem ser utilizadas: beta-bloqueadores (propranolol, metoprolol) ou bloqueadores do canal de cálcio (verapamil, diltiazem). 13) Arritmia Cardíaca.com.br , pois podem aumentar a transmissão do estímulo na via anômala, notadamente digoxina e verapamil 14) Department of Medicine, Oregon Health Sciences University School of Medicine, Portland 97201-3098. .

Se a frequência cardíaca não voltar ao normal com o tratamento médico, os médicos podem usar um tipo de terapia chamado cardioversão elétrica (choque).

A Desvantagem: o paciente NÃO fica CURADO do problema, ficara (pode ficar) com a doença CONTROLADA.

 

Correção cirúrgica – Ablação:

O tratamento a longo (veja foto ao lado) prazo para a síndrome de Wolff-Parkinson-White é realizado por ablação por cateter. Este procedimento envolve a inserção de um tubo (cateter) numa veia através de um pequeno corte perto da virilha-se a região do coração. Quando a ponta atinge o coração, a pequena região que está causando a via anômala e a taquicardia é cauterizado, usando um tipo especial de energia chamada de radiofreqüência ou congelando-o (crioablação). Ë o método de tratamento de escolha para esses pacientes.

Taxa de Sucesso da ablação:

A ablação por radio-freqüência é a terapia de eleição com sucesso de 89 a 97% na dependência da localização da via. A recorrência da condução pela via acessória, após uma ablação ocorre em aproximadamente 5 a 12% dos casos, e esses pacientes podem ser submetidos a uma nova intervenção sem aumento do risco. 15) Diretrizes Brasileiras de Arritmia Cardíaca

Possíveis Complicações da Ablação por RadioFrequência:

  1. bloqueio AV total: (0,2-0,6%): geralmente ocorrido nas vias ântero-septais e médio-septais, mas raramente em vias póstero-septais;
  2. infarto agudo (0,06%) do miocárdio por aplicação inadvertida dentro da circunflexa ou por dissecção de uma artéria coronária;
  3. perfuração cardíaca e tamponamento (0,1%);
  4. acidente vascular encefálico, ou acidentes isquêmicos transitórios (0,1%);
  5. lesão valvar mitral ou aórtica (0,15%);
  6. complicações arteriais e venosas (0,5%) no local da punção;
  7. com-plicações secundárias à exposição de raioX. 16) Diretrizes Brasileiras de Arritmia Cardíaca

Imaginem um situação para facilitar o cálculo: Para cada 2000 pacientes tratados:

  1. Bloqueio AV total: entre 4 e 1 pacientes.
  2. Infarto do Miocárdio: precisaríamos tratar 200.000 para ter 1 infarto.

 

A vantagem: o paciente fica CURADO do problema.

Detalhes da Correção via Ablação:

  • Não há cortes no peito.
  • A anestesia é via sedação.
  • Há um pequeno corte/incisão na virilha: 2 a 3 centímetros.
  • Não haverá dores no peito.
  • A ocorrência de morte súbita é rara.
  • Há toda uma estrutura de equipamentos para tratar as principais complicações.
  • Tempo de internação: 2 a 3 dias.

Cirurgia de coração:

Raramente é realizada, pois a Ablação (cauterização) costuma ser o procedimento de escolha.

 

Acompanhamento a longo prazo

A ablação por cateter CURA a doença na maioria dos pacientes. A taxa de sucesso para o processo situa-se entre 85 e 95%. As taxas de sucesso podem variar, dependendo da localização e número de vias adicionais. Além de ter um número maior de vias, há a possibilidade de que o Estudo eletrofisiológico não consiga detectar todas as vias e pode ser que uma delas fique sem tratamento adequado – e a arritmia volta a ocorrer.

 

Restrição física na W-P-W e para o Trabalho:

Antes da Ablação:

Os pacientes portadores da síndrome de Wolff-Parkinson-White não podem exercer atividades físicas competitivas (futebol, vôlei, basquete) nem esportes radicais (mergulho, escalada, asa-delta). Esses pacientes também não podem exercer profissões de risco (piloto, motorista, operador de máquinas pesadas).

Futebol e Esportes:

Esta doença é incompatível com a prática de atividades físicas pois pode desencadear arritmias cardíacas perigosas. A WPW é uma das principais causas de morte súbita em atletas, pois o paciente se sente normal até o dia em que o exercício intenso provoca uma arritmia fatal e trágica, muitas vezes filmadas pela imprensa, provocando grande repercussão nacional.

Após a Ablação:

Após ablação não há qualquer restrição para atividade física e qualquer profissão poderá ser exercida.

Posso trabalhar? Concurso público e Afins…

Como disse, após ablação (e principalmente, após a liberação do seu médico e do arritmologista) não há qualquer restrição para atividade física e qualquer profissão poderá ser exercida.

Sendo assim, você pode trabalhar em qualquer emprego – qualquer emprego.

 

Faça o seu Check-up!

O Wolff-Parkinson-White é uma doença grave e perigosa se não for descoberta a tempo. Portanto, você não precisa descobrir essa arritmia durante uma atividade física ou ter um sintoma grave. Durante a consulta médica com um cardiologista, a arritmia poderá facilmente ser descoberta.

 

Conte o seu caso: Você tem WPW, já tratou?.

E você? Já realizou esta cirurgia? Conte-nos como foi a sua experiência… o que você sentiu, o tempo de internação, etc. Deixe aqui o seu comentário e ajude a outros pacientes com a sua experiência!

Referências deste artigo

img 5526 Síndrome de Wolff Parkinson White   W P W   Absolutamente Tudo!
Siga-me

Dr. Leonardo Alves

- Médico cardiologista, CRMMG; 33.669, Mineiro, graduado na UFMG, turma de 1999.

- Adora medicina e gosta de contribuir com Posts e Temas relacionados à cardiologia e à saúde Cardiovascular, Alimentação saudável e Exercícios eficientes.
img 5526 Síndrome de Wolff Parkinson White   W P W   Absolutamente Tudo!
Siga-me

Author: Dr. Leonardo Alves

- Médico cardiologista, CRMMG; 33.669, Mineiro, graduado na UFMG, turma de 1999. - Adora medicina e gosta de contribuir com Posts e Temas relacionados à cardiologia e à saúde Cardiovascular, Alimentação saudável e Exercícios eficientes.

Share This Post On

46 Comments

  1. Boa tarde Dr. Fiz o procedimento em 2007. E agora apareceu uma nova via

    Post a Reply
    • Olá, Letícia.
      As vias anômalas são vias que estão em você desde o nascimento. O que ocorreu é que só agora elas foram encontradas.
      As vezes, temos vias anômalas que não se manifestam sob a forma de arritmias, isso é que é importante saber ao fazer o exame.

      Leonardo.

      Post a Reply
  2. Quais são as restrições de atividades físicas para os tratados por medicamentos e para os tratados por cirurgia? Alguém assintomático pode se submeter a cirurgia? Pretendo realizar concurso público e tenho medo que possa ser barrado. Obrigado.

    Post a Reply
    • Olá, Mauro.
      A decisão e escolha do tratamento adequado depende da opinião do médico e do paciente, em um consenso.
      A necessidade de cirurgia não é determinada somente pela presença ou ausência de sintomas e, da mesma forma, deve ser avaliada juntamente com o médico.
      Quanto ao concurso público… tudo dependerá da função que terá no futuro emprego… Note que a Síndrome de W-P-W impede a prática de atividades físicas mais intensas… Dê uma olhada neste post: http://sopronocoracao.com/2012/01/28/wolf-parkinson-white-e-o-trabalho/

      Abraços.
      Leonardo.,

      Post a Reply
      • Certo Doutor, a síndrome impede prática de atividades físicas intensas, mas também para aqueles pacientes submetidos a cirurgia e considerados “curados”? Meu interesse em concursos seria na área policial e sei que os cursos exigem práticas de atividades físicas. Obrigado pela atenção.

        Post a Reply
        • Olá, Mauro.
          Se o seu médico o considerou “curado” do WPW, você está Curado! Temos que pensar assim.
          Um paciente curado de uma doença provavelmente poderá realizar atividades físicas, mesmo intensas.
          Disse provavelmente pois é o seu médico que deverá ou não liberá-lo para a prática de atividades físicas – consulte-o pois existem outras doenças neste mundo que precisam ser descartadas.
          Conseguiu entender direitinho? Fique á vontade!
          Leonardo.

          Post a Reply
  3. boa tarde, fiz recentemente um procedimento de ablação sendo que logo após o problema foi resolvido, mas num Eco realizado no dia seguinte o problema retornou. O médico informo que não podia forçar demais o catéter por estar muito próximo da condução elétrica principal do coração. Daqui uns dias irei fazer uma nova consulta e avalizar se farei nova ablação ou o que pois morro de mede de ter que acabar usando um marcapasso.
    Dr Leonardo, o que você aconselharia?
    Obrigado.

    Post a Reply
    • Olá, Gabriel.
      Pelo que podemos perceber, o seu médico é bastante cauteloso e cuidadoso.
      O uso de marca-passo é uma complicação do tratamento, sim… mas vamos torcer para que tudo ocorra da melhor maneira possível.
      Grande abraço.
      Leonardo.

      Post a Reply
  4. ola por favor me responda estou desesperada meu marido foi diagnosticado com W-P-W (síndrome de Wolff-Parkingson-White), ele pode exercer a profissão de eletricista pode subir em escadas? me responda por favorrrr obrigado desde já .

    Post a Reply
    • Olá, Aline
      Obrigado pela participação, pois é muito importante para direcionar novos posts.
      Para melhores orientações, consulte o seu médico de confiança, ok? Faça novas visitas no blog que estarei atualizando os temas de acordo com suas perguntas e sugestões.
      Seguindo as às orientações do Conselho Federal de Medicina, infelizmente não estarei respondendo diretamente as perguntas nos comentários; faremos novos posts relacionados ao tema ou atualizaremos os posts prévios.
      Grande abraço.
      https://www.facebook.com/DrLeonardoAlves
      Leonardo.

      Post a Reply
  5. Olà , tenho essa sindrome wpw, porém foi realizado o ablação mas os medicos não .obtiveram sucesso, por a via estar localizada muito proxima, do circuito principal.então passei novamente com o cardio e ele solicitou um angiotomografia coronaria,que tbm já fiz mas os medicos acharam que não vão conseguir fazer laudo , porque meus batimentos não abaixaram para 60bt.
    talvez vou ter que reprogramar outro exame…

    Post a Reply
    • Olá, Dulce
      Obrigado pela participação, pois é muito importante para direcionar novos posts.
      Para melhores orientações, consulte o seu médico de confiança, ok? Faça novas visitas no blog que estarei atualizando os temas de acordo com suas perguntas e sugestões.
      Seguindo as às orientações do Conselho Federal de Medicina, infelizmente não estarei respondendo diretamente as perguntas nos comentários; faremos novos posts relacionados ao tema ou atualizaremos os posts prévios.
      Grande abraço.
      Leonardo.

      Post a Reply
    • olá dr tenho 23 anos,tambem fui diagnosticada com essa síndrome,e tenho duvidas se posso frequentar a academia,e se tambem posso engravidar antes de fazer o procedimento de cauterização.ate porque o tempo de espera para ser chamada e muito longo ja faz quase um ano de espera.

      Post a Reply
      • Olá, Ailza.
        No WPW, há uma contra-indicação para atividades competitivas e de alto impacto.
        Quanto às outras atividade, não há problemas.
        Se for pelo SUS e dependendo da região onde você mora, pode haver uma espera muito longa – mas, converse com seu médico se ele pode lhe ajudar nos trâmites burocráticos.
        Abraços.

        Post a Reply
  6. Olá, minha noiva de 18 anos, descobriu recentemente que tem a doença WPW. Nós morramos no interior da Bahia, próximo a Vitoria da Conquista, estamos preocupados por que o médico disse que é preciso fazer a cirurgia. Queremos saber quais os lugares no Brasil são feita essa cirurgia, desde já agradecemos.

    Post a Reply
  7. Olá,
    Quando eu fiz os exames me disseram que eu tinha um “Intervalo PR Curto” e mencionaram fazer esse procedimento. Mas nenhum cardiologista mencionou o nome WPW. Poderia me esclarecer se são as mesmas coisas, ou pode haver distinção entre eles? Obrigado.

    Post a Reply
    • Olá,
      O WPW é uma das formas de Intervalo PR curto, há outras, mas a mais comum é WPW.
      Tem outra: Long-Ganong-Levine (outro nome), também.
      O PRi curto é o que está no eletro. A síndrome é a alteração + Sintomas + Manifetsações da doença.
      Abraços.

      Post a Reply
  8. Dr Leonardo bom dia
    Tenho 34 anos e aos 28 fui diagnosticado com sopro de grau 0 ou 1 não sei ao certo quando apresentei uma arritmia e agora fui diagnosticado com WPW e o meu médico indicou a Ablação, gostaria de saber a cirugia é de risco e qual o tempo de pós operatorio. Obrigado.

    Post a Reply
  9. Dr. minha filha tem 1 ano e meio, e tem wpw, o medico falou que a função do coração dela está em 78%, como é? o coração não funciona em sua capacidade maxima tendo a sindrome, ou isso é normal para todo mundo?

    Post a Reply
  10. Quanto custa uma cirurgia de wpw ?

    Post a Reply
  11. Quero saber a idade e peso minima para cirurgia .

    Post a Reply
    • Olá, Rafael.
      Depende da presença ou não de sintomas.
      A SÍNDROME é o conjunto de Sintomas + Alterações no Eletro – se houver só alterações no eletro, espera-se mais tempo para a cirurgia.
      Se houver sintomas (relacionados) daí, opera-se o quanto antes.
      Mas não há uma regra específica de idade e peso.
      Abraços.

      Post a Reply
  12. Ola sr doutor fez uma semana que realizei a queima desta via acessória só que agora a perna onde fiz o pequeno corte esta um pouco negra perto da virila e sinto ainda com algumas dores ao contrario dos dois primeiros dias após a cirurgia será que esta tudo bem ?

    Post a Reply
    • Olá, Miguel.
      ótimo que já tenha tratado…
      A perna escura é um HEMATOMA leve, que é EXTREMAMENTE COMUM… De todo modo, mostre para seu médico.
      Ele vai amarelar e depois sumir…
      Abraços.

      Post a Reply
  13. E também tenho a perna ligeiramente inchada

    Post a Reply
  14. Olá pessoal!

    Hoje tenho 29 anos, e desde os 5 anos comecei com arritmia, sem saberem ao certo o diagnostico…foi muito sofrido, muitas crises…meu coração chegava a 365 bpm, tomei muito propanolol…aos 12 anos em 1996 fiz o cateterismo, seguido da ablação que graças a Deus e a equipe médica, foi um sucesso…tinha WPW, minha via anômala tbm é próxima a aorta e a carga elétrica não foi tão forte, mas tudo ocorreu bem, no dia seguinte voltei para casa, mantive repouso, as vezes o coração disparava, mas o médico disse que era normal, o corte na perna e no pescoço foram bem pequenos, hj tem uma pequena marquinha no pescoço, mas praticamente imperceptível. Depois de um tempo acabei não fazendo mais acompanhamento, e aos 18 anos, meu coração começo a bater muito rápido e aí, pronto surtei…alguns médicos falaram que minha arritmia havia voltado, me prescreveram até ritmonor, inconformada procurei o medico que fez a cirurgia e ele, viu meu eletro e disse: “sua arritmia não voltou, vc esta liberando muita adrenalina” me pediu um monte de exames e tudo normal e o diagnostico Síndrome do Pânico… e depois que fiquei bem abandonei o acompanhamento…e há pouco tem procurei um cardiologista e ela escreveu no eletro “inúmeras E.S.S.R” disse que são extra-sistoles e pediu uma dezenas de exames…fiquei com medo, medo este que me acompanha desde de criança, tenho pavor, de médico, hospital…enfim fico tão nervosa que nesta consulta minha pressão estava 22×16…para não dizer que não fiz nenhum exame fiz o mapa da pressão…e foi normal.

    Post a Reply
  15. Olá Dr! Fui diagnosticada com WPW e o meu médico não me receitou nenhum remédio, pois disse que poderia afetar minha tireóide, mas me encaminhou para realizar ablação (disse que era extremamente necessário). No momento não tenho crises, pois mudei os hábitos diários, não tomo mais café, refrigerante, etc., que são estimulantes. Mas enquanto espero ser chamada para ablação (não sei quanto tempo irá demorar), tenho dúvidas se posso fazer atividades físicas e piorar novamente, até porque não tomo medicamento. Fico cansada e sem fôlego, mas penso que atividade física poderia melhorar aos poucos minha qualidade de vida. No meu teste ergométrico, o resultado foi que permaneci em pré-excitação ventricular durante todo o exercício, e consegui fazer apenas 7 minutos de caminhada na esteira. Fui em médicos diferentes, um me disse que eu poderia morrer a qualquer momento, o outro disse que eu poderia fazer sim atividade física. Não sei o que pensar…

    Post a Reply
  16. Olá Dr. passei por esse procedimento de ablação mas não foi feito pelo fato das veias estarem muito coladas, o medico disse que não iria tentar fazer por causa do risco e da ritmia ser muito baixa e não haver risco de morte subita . Isso e um fato um pouco raro ou acontece das veias estarem próximas.

    Post a Reply
  17. Fui dia ginástica da aos 41 anos com a pé estou apreensiva pois a anestesia e o cateér fazem o coração acelerar tenho medo lógico meus batimentos passam de 200 deitada sou muito agitada …

    Post a Reply
  18. Ola Bom dia, olha eu tenho 26 anos e descobri que tinha WPW aos 22 anos e meio quase 23 anos, desde os 14 anos sofria com desmaios , dores e palpitação, em decorrência disso fui submetida ha vários ECG ECo entre outros exames os quais não detectava a anomalia, aos 23 anos em repouso no telefone falando com minha irma, eu senti um leve e súbito disparo no peito, achei estranho porem não dei muita atenção, empolgada e feliz no telefone..eu abaixei a cabeça e meu corpo para pegar algo que havia caído no chão da sacada de casa, foi quando tive o primeiro Taquicardia e consequentemente o desmaio,tive tonturas antes e logo fui levada ao hospital onde foi feito um ECG e nao constou o problema( WPW) entao me pediram para retorna em 15 dias, contudo neste intervalo de 15 dias a situaçao foi so piorando eu sentia muita dor no peito, cansaço, fadiga, dor no braço e os taquicardia nao parava mais, os batimentos subia de 130 a 199bmp uma sensação horrível e desesperadora, pois moro sozinha, e contei com a ajuda de vizinhas e amigos, sempre que tinha crise ligava para vizinha, fui ao medico particular ..relatei todos os sintomas ele me solicitou Holter 24h onde de imediato foi detectado onda delta e PR-curto, como de costume da maioria eu também fui pesquisar no Dr. Google.. fiquei assustada e apreensiva, retornei ao medico com os exames, ele me orientou muito bem, falou de toda a causa congênita, e os meios de solução, disse que remédios ja nao iria surti muitos efeitos haja visto que o meu problema fora descoberto ja com desmaios e taquicardia bem avançado, me indicou o estudo eletrofisiológico e ablação por cateter.. explicou-me tudo como ocorria os riscos e os benefícios do mesmo. fiquei feliz e triste simultaneamente, mas descansei em Deus. fiquei 2 anos na fila de espera em uberlandia-mg tive que trancar a faculdade em virtude das crises que eram diarias e constantes, a duraçao minima dos taquicardia era de 15minutos ja fiquei 1h30ms com taquicardia, achei que fosse morrer ali naquele memento, mas para honra e gloria do senhor Jesus ele sempre me deu força e coragem pra prosseguir. quase 3 anos dpos consegui uma internação na Beneficiencia portuguesa em SP, onde fui muito bem recebida e tratada, equipe medica de primeira, enfermeiros atentos,todos sempre a disposição não tenho do que reclamar fui muito bem cuidada la. Hospital de qualidade e interesse profundo em ajudar os pacientes. Muito bom mesmo, fiz a ablaçao em Agosto 2014, mas ainda nao estou 100%, pois no mes de março/2015 voltei a sentir as dores no peito e forte, agora acompanhada de tontura e leve vertigens antes eu tinha mais taquicardia , sem dor, agora tenho mais dor/ sem taquicardia, e uma dor de cabeça nunca sentida em toda minha vida, passei muito mal com esta dor de cabeça que senti 3x seguidas parecia a morte, fiz ECG e teste ergometrico… o ECG consta Alteração Difusa da Repolarização ventricular e no TESTe consta Onda delta PR- curto.

    Dr. gostaria de saber se vou ter que fazer novamente o procedimento cirúrgico e quais as consequências desta Alteração Difusa da Repolarização ventricular

    Post a Reply
  19. Olá descobri q tinha WPW com 9 anos, no meu caso era uma doença genetica.. minha avó morreu de WPW e meu pai fez a Ablaçao, fiz a ablaçao ano passado com 13 anos.. hj tenho 14 e estou liberada para qualquer atividade fisica, durante o procedimento foi encontrada outra via por tras do meu coraçao q n havia sido detectada pelos exames por isso alem da virilha tambem precisaram fazer a inserçao do cateter pelo meu pescoço.. graças a Deus ocorreu tudo bem.. se vc precisa fazer n tenha medo, vc n sentira dor alguma.. no meu caso ouve um roxeamente na virilha, mas o medico mandou por uma comprensa de agua morna e passar uma pomada. E hj tenho apenas dois furinhos de recordaçao :)

    Post a Reply
  20. Olá Dr fui diagnosticado com wpw fis iseme eco teste ergométrica holter vou mostrar para meu medico mais sinto tontura sensação de fouta de ar um dos sintos de wpw qual os principais cintomas da wpw e seus riscos

    Post a Reply
    • Olá, Rubens.
      Os sintomas são:
      – Sensação de taquicardia, batimentos irregulares e rápidos.
      – Tontura
      – Desmaio
      – Desencadeados pelo exercício (mas também em repouso).

      Abraços.

      Post a Reply
  21. Preciso de informação de algum medico e hospital que faça essa operação,minha namorada foi diagnosticada,com a doença W.P.S,por favor aguardo informações..

    Post a Reply
    • Olá, Fúlvio.
      Vários locais fazem essa cirurgia – é bom você receber a indicação do seu médico onde fazer ou Consultar um Cardiologista, inicialmente, ou um Arritmologista.
      Abraços.

      Post a Reply
  22. Oi DR: Descobrir q tinha a WPW, pq eu estava jogando futebol na aula de educação fisica e tive uma arritmia forte, pensei q ia morrer, fui tomando água respirando fundo, passou foi para casa eu tinha 16 anos, fiz por conta propria um ELETROCARDIOGRAMA que deu WPW, depois aos 17 engravidei fui ao cardiologista ele falou q meu parto seria cesaria, pq quem tem WPW n podia fazer esforço fisíco… tive a recomendação do pós parto ficar na UTI em observação por3 a 5 dias fique 5 pq tive infecção urinári, com relação aocoração n deu nada…. me passaram uma caixa de ancoron e disse para eu procurar umespecialista na WPW, mais n procurei… e hoje estou com 21 anos, e sinto a arritmia de vez enguando…. sera q posso praticar exercícios fisícos, pq antes de descobrir minha gravidez eu malhava, fazia aerobica localizada e musculação e n sentia nada a ñ ser meu roto ficava vermelho so se minha pressão subia… n sei… sera q eu posso fazer a TAF para concurso público?…. tenho medo…

    Post a Reply
    • Olá, Tayná.
      No WPW, o paciente NÃO DEVE realizar atividades física a não ser em RAROS CASOS nos quais o médico tenha feito o EEF – Estudo eletrofisiológico e tenha detectado que a via anômala NÃO TRANSMITE impulso elétrico.
      Procure o seu cardiologista – pois você já viu que a arritmia é muito forte e muito ruiim.
      Abraços.

      Post a Reply
  23. Olá, minha irmã e eu temos arritmia e meu pai tmb, porém a minha irmã tem a sindrome de Wolff Parkinson , ela já fez ablação tem 2 anos, e mesmo assim continuou a sentir arritmia com menor intensidade, nos dois últimos meses ela tem passado bem mal, sentido com mais frequência e maior intensidade, o remédio que ela toma é propranolol 40 mg pela metade e eu tomo Selozok 25mg, você acha que ela está tomando a medicação correta, será necessário trocar o remédio, acha que ela precisaria passar por uma nova ablação? Percebi que ela começou a passar mal depois de fazer caminhadas leves, nós duas começamos a sentir com a mesma idade aos 22 anos, ela tem 25 e eu 23 anos de idade.

    Post a Reply
    • Olá, Jéssica.
      “você acha que ela está tomando a medicação correta”… infelizmente, não posso emitir uma segunda opinião..

      Melhor, mesmo, você procurar o seu cardiologista para que ele lhe examine e dê uma opinião para você.

      Abraços.

      Post a Reply
  24. Olá, doutor! Há 14 anos minha mãe tem wpw. Hoje ela tem 67 anos de idade. Seria aconselhável ela fazer ablação cardíaca?

    Post a Reply
    • Olá, Francisco.
      Hum… 67 anos e não houve manifestação de doença… Ela provavelmente está recebendo medicação para o W-P-W…

      Se ela precisa fazer a ablação? Só o médico dela, que a examinou, pode responder a essa pergunta.

      Abraços.

      Post a Reply
  25. Dr., boa tarde!

    Eu fui diagnosticado com essa síndrome, já fiz o processo de ablação e não conseguiram detectar o ponto que estava causando essa síndrome.

    Depois de uma avaliação mais detalhada, constataram que ela simplesmente desaparece quando o batimento cardíaco se eleva.

    Isso acontece mesmo?

    Post a Reply
    • Olá, Leonardo.
      Sim, isso pode ocorrer, também.
      É a chamada S.WPW intermitente… aparece no eletrocardiograma e some do eletrocardiograma.

      Abraços.

      Post a Reply

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Shares
Share This

Compartilhe!

Compartilhe com amigos

Share This

Share this post with your friends!